Projekto_logo_final

Portugal

As fotografias da nossa exposição digital mostram histórias de vida de jovens que se mudaram para Portugal vindos de diversos cantos do mundo, para além da Europa, de países como Angola, Moçambique, Timor-Leste, Brasil, Venezuela, entre outros. As histórias abordam três questões principais:
– O significado da fotografia no percurso pessoal dos jovens migrantes, destacando os desafios que eles ou os seus familiares enfrentaram durante a mudança para Portugal, bem como as suas conquistas ou marcos desde a migração;
– Os sentimentos que surgem quando falam da sua terra natal com os familiares;
– As suas aspirações de regressar ao seu país natal para viver ou visitar.

Preservámos a linguagem e o estilo autênticos das histórias para garantir a sua representação genuína.

Partilhei esta fotografia. Fez-me lembrar quando parti. A minha família reuniu-se neste local, despedimo-nos com carinho, tirámos fotografias, abraçámo-nos e chorámos juntos. Já se passaram dois anos e, pela primeira vez na minha vida, estou a viver sozinho, longe da minha família. Por isso, essa fotografia significa muito para mim e nunca a vou esquecer. Tenho uma boa comunicação com a minha família, especialmente com o meu pai e o meu irmão mais velho. Sinto-me muito confortável quando falo com eles, partilhamos momentos de felicidade e de tristeza. Tenho saudades deles! Um dia, gostaria de visitar o meu país, espero que seja no próximo ano, no mês de julho.
A vida pode caber em duas malas, mas só os bens materiais. No meu coração, estão todas as experiências, anedotas, amor e carinho da minha família. O desafio mais significativo foi a língua, que, embora semelhante, continua a ser um desafio. Nostalgia, tristeza. Tenciono visitar muitas vezes o meu país e a minha família.
Os desafios que enfrentamos, como as dificuldades linguísticas, porque normalmente falamos a nossa própria língua/crioulo, mas tentamos captar novos ambientes, para aumentar a experiência. Fiquei contente porque eles podem contar-me o que aconteceu durante o colonialismo português e a invasão da Indonésia. Sim, quero visitar o meu país no próximo ano.
Deixei a minha família para trás e meti tudo o que podia numa mala de 25 quilos para começar uma nova viagem, na qual encontrei muitas dificuldades, como a língua, o clima, a cultura, as rendas (muito altas), mas, apesar de tudo, encontrei pessoas amáveis que me ajudaram com recomendações de emprego, moradas e me ensinaram como funcionam os serviços. Graças a elas, consegui começar a trabalhar e mudar-me para uma zona muito calma e com bons vizinhos. Nostalgia, entusiasmo, tristeza, esperança, tenho tantas saudades deles! Sim, quero lá voltar.
O desafio de voar para longe, começar do zero num novo país, com uma nova língua. Afeto, fé, esperança. Gostava de visitar o meu país.
A fotografia representa o primeiro Natal que passei fisicamente longe da minha família. Não estava sozinho nem com estranhos, mas foi um momento que me levou a perceber que estava longe da minha família. Não foi, e não é, um processo fácil. Mas, com o passar do tempo, à medida que se vai alcançando os próprios êxitos, percebe-se que o sacrifício vale a pena. Desde que deixei o meu país sozinho, há cinco anos, fiz coisas, conheci pessoas e viajei para sítios que nunca imaginei. Um pouco de nostalgia e de saudade. Mas também alívio por ter conseguido manter-me afastada durante todo este tempo e a contar. Só para visitar (para saborear a comida).
Esta fotografia foi tirada no dia em que vim para Portugal. Acho que a maior dificuldade que tive quando me mudei foi não ter toda a minha família cá. Outra dificuldade foi adaptar-me à cultura portuguesa, porque apesar de Cabo Verde e Portugal terem muitas coisas em comum, ainda têm muitas diferenças culturais. No que diz respeito às conquistas, acho que são muitas. Uma vez que, estando num país mais desenvolvido, pude ter uma melhor educação, ir para a universidade e, claramente, aqui em Portugal a minha família pode ter mais estabilidade financeira do que provavelmente tinha no passado. Sinto-me feliz e orgulhoso, porque apesar de já não estar lá, Cabo Verde é onde estão as minhas raízes e onde está a maior parte da minha família, e orgulhoso porque cada vez mais os artistas e a cultura cabo-verdiana estão a ser reconhecidos pelo resto do mundo. Não tenciono regressar a Cabo Verde, mas quero lá ir de férias sempre que puder.
A fotografia que escolhi é de uma camisola que tem muito significado para mim. Em primeiro lugar, foi um presente que recebi da minha mãe, por isso é uma recordação que tenho dela, uma vez que ela e a minha família ficaram em São Tomé e Príncipe. Para além disso, esta camisa é uma peça de vestuário africana que me faz lembrar a cultura do meu país através das suas cores e padrões. Há um ano e dois meses, vim sozinha para Portugal com o objetivo de estudar e encontrar um emprego. Estou a tirar um curso profissional que me vai permitir concluir o 12º ano de escolaridade e arranjar um emprego ou ir para a universidade. Tenho muitas saudades da minha família. Gostaria de regressar a São Tomé e Príncipe com conhecimentos suficientes para melhorar o país a nível social e económico.
Esta é uma fotografia da minha gata Vitória. A Vitória acompanhou-me durante todo o meu percurso de migrante e esteve presente em todas as viagens que fiz entre França e Portugal. Nasci em Portugal e vim para França com os meus pais quando tinha quatro anos. Quando fiz 14 anos, os meus pais decidiram regressar a Portugal e eu vim com eles porque sempre gostei deste país. Adoro Portugal e sei que o meu percurso me permitiu ganhar responsabilidade emocional e maturidade. No entanto, tenho saudades dos momentos que passei em França. Tenciono regressar a França, uma vez que a situação económica em Portugal é complicada.
Esta é uma fotografia do meu passaporte francês. Apesar de já ter expirado há alguns meses, guardá-lo-ei sempre porque foi o último documento francês que usei antes de me instalar em Portugal. O maior desafio quando cheguei a Portugal foi dominar a língua portuguesa e ainda tenho algumas dificuldades. Consegui integrar-me facilmente em Portugal e no mundo do trabalho porque já tinha vindo cá de férias, pois era o país dos meus pais. Sinto o que sentia quando vivia lá, muita azáfama. Foi por isso que me instalei em Portugal, um país mais calmo e longe do stress da cidade. Não quero regressar a França.
Esta foto foi tirada quando eu estava na praia de Jericoacoara. Escolhi esta foto porque é uma praia onde eu ia muitas vezes com os meus pais. É uma praia muito bonita, cheia de vida durante o dia, mas também à noite, com um pôr do sol magnífico. Esta fotografia faz-me sentir muitas saudades do meu país e recorda-me os tempos que lá passei com a minha família. Vim para Portugal com os meus pais, que escolheram este país por pertencer à União Europeia, ter um nível de segurança superior ao do Brasil e ter a mesma língua. Tenho muitas saudades. Para mim, o Brasil simboliza a Unidade e o Amor entre as pessoas que amamos. Não tenciono voltar ao Brasil para viver lá, apenas para visitar.
Este porta-chaves tem um valor sentimental pois, poucos dias antes de viajar definitivamente para Portugal, foi-me oferecido pelos meus irmãos que me disseram: “é para que nunca esqueças o país de onde vieste e que te fez ser quem és”. Embora os meus pais sejam portugueses que emigraram para França, eu e os meus irmãos nascemos e crescemos em França. Ficaram e ainda vivem lá com os meus pais. Vim viver para Portugal porque consegui um emprego cá depois de ter feito um estágio em Portugal. A parte mais difícil foi adaptar-me a uma mentalidade diferente quando aqui cheguei, nomeadamente o papel da mulher na sociedade, uma vez que cresci numa grande cidade francesa e vim viver para uma aldeia portuguesa. Tenho saudades dos meus pais, irmãos e amigos que ficaram em França, mas consigo visitá-los pelo menos uma vez por ano. Costumo dizer que sou portuguesa de sangue, mas francesa de coração. Não tenho planos para voltar a viver em França, por isso aproveito para os visitar sempre que posso.
Esta fotografia foi tirada na praia de Milha. É um sítio importante para mim porque foi onde festejei os meus 17 anos. Costumava ir lá com os meus amigos e os meus três irmãos, de quem tenho muitas saudades. A coisa mais difícil para mim foi adaptar-me ao clima (mais frio). Estou cá há 3 meses porque tinha cá os meus pais, mas os meus 3 irmãos (mais novos do que eu) ficaram em São Tomé e Príncipe. Tenho muitas saudades dos meus três irmãos. Não tenciono voltar a viver no meu país natal, apenas visitar.
Esta fotografia foi tirada num local onde eu ia frequentemente passear com os meus amigos e o meu pai nos tempos livres. A fotografia mostra o rio da cidade de CHUR. A adaptação não foi difícil porque o meu pai é português e falámos sempre em português. Para além disso, conheço a cultura portuguesa. A única dificuldade foi escrever em português porque não estava habituada a escrever. O aspeto positivo de Portugal, quando comparado com a Suíça, é o facto de a escola não se centrar estrita e unicamente nas notas, no sucesso e no futuro. Em Portugal, as relações humanas são muito valorizadas, assim como o afeto entre professores e alunos, o que também é importante para qualquer jovem que esteja a estudar. A desvantagem é que é mais difícil ser financeiramente independente em Portugal porque os salários são baixos e os apartamentos, carros, etc. são muito caros. Tenho saudades de viajar de comboio e de admirar as belas paisagens. Também me senti mais segura na Suíça do que em Portugal, mas talvez seja porque não estou habituada a isso aqui. Estou bem integrado em Portugal, por isso não tenciono regressar à Suíça para viver, apenas para visitar.
O meu primeiro dia aqui foi a 11 de maio. No dia 12, descansei e, no dia 13, fui rezar um pouco em Fátima. Gostei de ir à igreja de Fátima. Gostava de lá ir outra vez. Saudades… Tenho saudades da minha família. Sim… sim, mas ainda ando à procura de trabalho para ganhar dinheiro para a minha família. Quando tiver algum dinheiro, volto.
Gostava muito de visitar Fátima quando vinha a Portugal. Saudades porque ele está tão longe. E só o vejo através de um telemóvel. Só quero visitar e poupar dinheiro para dar à minha família.
Escolhi esta fotografia porque o meu sonho é ser futebolista e foi na Suíça que comecei a praticar este desporto, no Centro Desportivo de Praz Séchaud. Também jogo futebol aqui em Portugal, mas foi na Suíça que tudo começou. A coisa mais difícil para mim quando vim para Portugal foi ler e escrever português. Eu sabia falar porque os meus pais me ensinaram, mas não sabia ler nem escrever corretamente. Estou cá há poucos meses, ainda não estou 100% integrada, mas estou a fazer um curso profissional e gosto de viver aqui. Tenho muito orgulho em ser de origem portuguesa (país dos meus pais) e aprecio a cultura e as paisagens do país. No entanto, a Suíça foi o país onde cresci e onde deixei amigos, por isso também tenho saudades. O meu sonho é ser futebolista. Pode ser aqui em Portugal ou na Suíça ou noutro país, por isso ainda não tenho a certeza se vou voltar ao meu país de origem.
São tantos. Estou a gostar do turismo. Saudades, muitas saudades. Tenho saudades da minha família. Gostava de a visitar.
Escolhi esta fotografia porque ela simboliza o meu país. É um ícone cultural que faz parte da paisagem do Rio de Janeiro. Lá de cima, tem-se uma bela perspetiva do Rio de Janeiro. Escolhi esta fotografia porque estive lá com os meus avós que ficaram no Brasil. Vim para Portugal porque é um país mais seguro, com melhores condições de saúde e maior poder de compra. A língua é praticamente a mesma. Fui para uma escola profissional para estar melhor preparada para a vida profissional. Tenho muitas saudades da minha família e dos meus amigos. Não estou a pensar voltar ao meu país de origem para viver, apenas para visitar.
A mala representa a minha viagem a Portugal. O maior desafio foi habituarmo-nos ao frio e foi também um desafio aprender a língua do país que nos acolheu. Uma das conquistas ou sucessos foi ter entrado no projeto “tu decides” – E9G e estar num Clube de Futebol (NDS). Sempre gostei de jogar futebol e a entrada no NDS permitiu-me desenvolver esse potencial. Outra conquista é o facto de vivermos agora numa casa com melhores condições. Sinto falta dos meus amigos e da minha cultura e sinto falta de viver mais perto da minha religião. Por exemplo, na Guarda não há mesquitas. Claro que sim. Gostava muito de lá ir nas férias.
Esta fotografia traduz o amor. Os meus pais decidiram vir para Portugal há 20 anos e esta fotografia foi tirada quando os meus avós vieram a Portugal visitar-nos. Na altura, eu e a minha irmã éramos crianças, por isso não sentimos muito. Mas para os meus pais foi diferente, a adaptação foi mais difícil. Problemas com a distância, nostalgia e xenofobia foram alguns dos obstáculos que enfrentaram. Atualmente, estamos muito felizes em Portugal e esperamos ir para o Brasil em breve. Tenho muitas saudades. Não, infelizmente, mas vou sempre visitar.
Fomos a Macedo de Cavaleiros quando chegámos a Portugal e gostámos. A igreja de Macedo de Cavaleiros é muito grande e bonita. Agora quero ir àquela igreja que aponta para o Bom Jesus do Monte, em Braga. Tenho muitas saudades do meu país. Depende, eu trabalho aqui para poder ter dinheiro. Depois de 6 meses, vou visitar o meu país e a minha família.
Quando cheguei a Portugal, gostei muito da igreja de Santo António, em Lisboa (Lisboa). Tenho muitas, muitas saudades do meu país. Não para viver. Só gostaria de o visitar.
Quando penso na Suíça, lembro-me da Fábrica de Chocolate Cailler. Eu vivia perto da fábrica e sentia o cheiro do chocolate. Quando isso acontecia, significava que no dia seguinte ia chover. Vim para Portugal porque a minha avó é diabética e precisa de alguém que tome conta dela. Saudades. Não tenho preferência por países, mas sinto falta da comida de lá. Na Suíça a vida é melhor. Tenciono visitar. Quanto a viver… ainda não tenho a certeza.
Esta pulseira é o objeto mais antigo que trouxe comigo para Portugal, e tem uma ligação ao meu país natal. A palavra “Gwanda” é uma combinação dos nomes da ilha de Guadalupe, onde nasci e vivi até aos 10 anos de idade, em 2012. A mudança para outro país faz parte da história da minha família. Os meus avós nasceram em Portugal e emigraram para França, onde nasceu o meu pai. Por razões profissionais, o meu pai mudou-se para a ilha de Guadalupe, que é um departamento da República Francesa situado nas Caraíbas, onde conheceu a minha mãe. Vivi na ilha até 2012, altura em que os meus pais decidiram mudar-se para Portugal. Antes desta mudança, nunca tinha estado em Portugal e não falava a língua portuguesa, o que tornou a adaptação a esta nova vida um desafio. Com o tempo, porém, habituei-me à ideia, ao clima e à comida, e agora sinto-me em casa aqui. Tenho saudades do tempo, das praias, da forma de viver e de aceitar a vida das pessoas, da comida, da alegria das pessoas. Sim, gostaria de voltar a viver no meu país de origem depois de terminar a faculdade.
É uma fotografia de uma praia em Luanda, a cidade onde fui criado. Estou cá há 6 meses. Vir para Portugal sempre foi um sonho meu, com esperança de melhores perspectivas de futuro. Os meus pais concordaram e permitiram-me vir para cá. Vim com um amigo que também é de Luanda. Portugal oferece muitas oportunidades em comparação com Angola, e o facto de a língua ser a mesma fez com que fosse o destino mais adequado. A parte mais difícil foi deixar os meus pais e aprender a viver sozinho como um adulto. Estou a descobrir que viver longe da casa dos meus pais requer uma perspetiva diferente; estou a aprender a gerir o meu orçamento, a comparar preços, entre outras coisas. Vim para cá para estudar e tenciono ir para a universidade. Tenho muito orgulho no meu país, que é muito rico em cultura, gastronomia, música, paisagens e tenho muitas saudades da minha família, principalmente dos meus pais. Não pretendo regressar ao meu país para viver, mas para visitar e matar saudades.
É uma fotografia de um prato típico angolano: moamba de galinha. Estou em Portugal há cinco meses e tenho imensas saudades da comida do meu país. Vim para Portugal para estudar porque tenho cá o meu pai, mas tenho saudades da minha mãe, da família e dos amigos e de tudo o que me faz lembrar a minha vida lá, como a comida e as praias. Tenho saudades do meu país. Acho que vou voltar a Angola para visitar a minha família, mas não para voltar a viver lá.
São Tomé é uma ilha maravilhosa com praias lindíssimas. Esta fotografia foi tirada na Boca do Inferno, que me lembra como eu era feliz quando visitei este local com a minha família. Esta fotografia representa a beleza das paisagens fantásticas do meu país. Vim para Portugal para estudar há 4 meses, viajei sozinha de avião, estava cheia de medo, mas correu tudo bem. O mais complicado foi o receio que senti ao vir para um país desconhecido, aprendi a perguntar quando não sei algo ou preciso de alguma coisa, e principalmente a estar atenta a tudo o que me rodeia. Tenho imensas saudades da minha família e dos meus amigos assim como do clima do meu país. Penso que não voltarei a viver em São Tomé, mas claro está que, sempre que tiver a oportunidade, irei fazer uma visita.
Tenho uma ligação especial com a ilha de Moçambique; foi lá que passei os últimos momentos dos meus pais. Falo de Moçambique com entusiasmo. Gosto de partilhar com os outros a beleza do meu país. Viver sozinha é um desafio. Tive que me adaptar a ser independente e estar consciente dos obstáculos que iria enfrentar. No entanto, o meu sonho sempre foi estudar no estrangeiro. A minha mãe quer que eu fique cá [Portugal]. Ela não quer que eu volte, porque o meu sonho sempre foi estudar no estrangeiro. Quando surgiu a oportunidade, ela foi a primeira a encorajar-me, tratando de tudo para facilitar a minha vinda. O resto da família, no entanto, teria preferido que eu ficasse. Tenho, sem dúvida, planos para voltar a visitar o meu país. No entanto, não tenciono regressar de forma permanente. A ideia seria passar lá as minhas férias.
As paisagens e a cultura de São Tomé e Príncipe são uma marca que levo comigo e que nunca esquecerei. É a garantia de que o meu país estará sempre presente na minha mente. A adaptação em Portugal não foi difícil. Vim para cá para estudar e atualmente vivo sozinha. Apesar dos desafios de viver sozinha, sei que com o tempo me vou habituar. Tenho saudades da minha terra natal, porque foi onde nasci e cresci. É onde conheço a maior parte das pessoas. Tenho grande apreço pelo meu país e desejo voltar a viver lá no futuro.
Esta é uma fotografia de uma praia em São Tomé e Príncipe. Tem um grande significado porque gostava de passar lá o tempo com os meus amigos, os meus primos e a minha mãe. É também uma fotografia que me deixa triste porque me faz lembrar os momentos que lá passei e dos quais tenho saudades. Tristeza e saudade, porque tenho muitas saudades da comida, do clima e das praias do meu país, para além dos meus amigos e família. Vim para Portugal para estudar e arranjar um bom emprego, e por isso não tenciono voltar para lá para viver, mas apenas para visitar.
São Tomé e Príncipe é um sítio incrivelmente bonito, cheio de frutos maravilhosos e outras riquezas importantes. Quando penso em São Tomé, vêm-me logo à cabeça as paisagens, e tenho saudades desse cenário único. A minha adaptação a Portugal foi fácil. Tenho imensas saudades do meu país. Embora tencione ficar cá, quero voltar a visitar o meu país natal.
Esta fotografia representa a beleza do meu país, com as suas belas paisagens e praias magníficas. Vim para Portugal sozinho, deixando para trás os meus pais, irmãos e família alargada. Cheguei para estudar e frequentar um curso profissional de informática há algum tempo. Depois disso, fui para a faculdade e agora tenciono voltar ao meu país de origem porque quero fazer melhorias lá, aproveitando tudo o que aprendi em Portugal. Nos meus primeiros anos em Portugal, foi difícil porque não recebia muitas notícias da minha família. No entanto, fui muito bem recebido em Portugal e isso ajudou-me a moldar quem sou hoje. Tenho imensas saudades: da gastronomia, das paisagens, mas sobretudo das pessoas, em especial da minha família. Sim, sem dúvida. Adquiri conhecimentos suficientes para voltar a Timor-Leste e ajudar no desenvolvimento económico do meu país.
Esta fotografia representa um prato de Timor-Leste. Embora existam muitos pratos típicos no meu país, só pude incluir uma fotografia. Este era um dos pratos que a minha mãe costumava fazer quando a minha família vinha almoçar. Tenho muitas saudades desses momentos. Vim para Portugal para alargar as minhas oportunidades de encontrar um emprego melhor. Fiz um curso profissional aqui e espero um dia voltar a Timor-Leste. Tenho muitas saudades das pessoas que lá deixei, do ambiente, do modo de vida, da comida, de tudo… Gostava de voltar ao meu país e viver lá outra vez, mas não sei como é que as coisas vão ser aqui a partir de agora.
Escolhi esta fotografia porque representa o povo trabalhador de Timor-Leste. Vim para Portugal para estudar e alargar as minhas competências. Tirei um curso profissional de informática e agora estou a frequentar a faculdade. A minha família ficou no meu país de origem. Fui bem recebido em Portugal, mas, claro, o meu país será sempre Timor-Leste. Apesar das dificuldades que o meu país atravessou, o povo é trabalhador e lutador. Tenho muito orgulho e muitas saudades do meu país. Sim, tenciono voltar a Timor-Leste e utilizar os conhecimentos que adquiri aqui em Portugal para melhorar as condições de vida das pessoas no meu país.
Representa a mala que trouxemos com os nossos pertences. O desafio foi a língua. Sinto-me bem. Ainda não sei se voltarei a viver lá.
Foi a última fotografia que tirei da janela da minha casa, um dia antes de emigrar. Tivemos de recomeçar a nossa vida, voltar ao liceu, sem qualquer conhecimento de português, e enfrentar uma mudança total nas condições climatéricas. Acho que a parte mais difícil foi encontrar o nosso lugar. Quanto a realizações: os meus pais abriram a sua própria padaria e eu vou acabar o meu curso de enfermagem este ano 🙂 . Para alguém que nem sequer sabia se conseguiria acabar o liceu, acho que me saí muito bem. Saudade, tristeza, dor, raiva. Sim, gostaria de voltar a visitar o meu país.
É uma fotografia da praia Morena, situada na cidade onde nasci (Benguela, em Angola). Quando penso no meu país, vêm-me à cabeça os meus amigos. Guardo uma fotografia que nos mostra a todos juntos, um registo do tempo em que crescemos lado a lado. A recordação deles está gravada na memória do meu país natal. A adaptação a Portugal trouxe alguns desafios. No meu país, tinha todo o apoio da minha família, mas agora sou só eu e o meu irmão, o que torna as coisas mais complicadas. Ele está no mercado de trabalho, enquanto eu me dedico aos meus estudos. A alegria enche-me o coração quando penso na minha terra natal. No entanto, foi ao vir para cá [Portugal] que experimentei um crescimento significativo. Aprendi coisas que deveria ter levado mais tempo a assimilar se ainda lá estivesse. Tornei-me mais independente ao sair da minha zona de conforto. O que mais me faz querer voltar são as pessoas, não é só o sítio em si. A ligação reside nas relações com as pessoas, sobretudo com a minha família. Essa é a verdadeira razão que me motivaria a regressar. No entanto, a decisão de regressar depende também das oportunidades que me são oferecidas. Se me forem oferecidas mais oportunidades de crescimento e desenvolvimento aqui, estou disposto a ficar. O meu plano é continuar a minha licenciatura em design de construção mecânica e voltar a entrar no mercado de trabalho. Depois disso, tenciono tirar um curso superior.
Quando penso no meu país, vem-me imediatamente à cabeça a imagem do mar. As paisagens são incrivelmente bonitas, com águas óptimas para tomar banho. São Tomé e Príncipe é um país lindo, onde nasci e cresci. Decidi vir para cá para estudar e para encontrar melhores condições de vida. Se o ensino no meu país fosse semelhante ao de Portugal, talvez tivesse ficado por cá. A situação económica não é a melhor, mas, mesmo assim, é um lugar especial para mim. Saudades. Tenho imensas saudades do meu país. Embora tenha vindo para cá em busca de novas oportunidades, tenciono visitar o meu país. Quanto a voltar a viver lá, ainda não tenho a certeza. A experiência de deixar o meu país foi fantástica, especialmente porque nunca tinha viajado de avião. A minha família apoiou-me na minha decisão de vir para cá, mas sempre me encorajou a considerar a possibilidade de regressar ao meu país.
Guardo São Tomé e Príncipe nas minhas memórias através de inúmeras fotografias. Antes de deixar a minha terra natal, tirei muitas fotografias, numa tentativa de preservar momentos especiais. Eu e a minha família explorámos locais turísticos e desfrutámos das praias, registando cada experiência em vídeos, sabendo que a distância nos iria separar durante muito tempo. A decisão de partir significou um salto para fora da minha zona de conforto, uma viagem que, com o tempo, revelou o meu crescimento pessoal e a verdadeira essência do meu ser. Descobri que sou resiliente e corajosa face às mudanças culturais e sociais com que me deparei num novo ambiente. Os primeiros meses foram desafiantes, mas, com o tempo, consegui adaptar-me. Já passou quase um ano desde a minha chegada e agora, olhando para trás, apercebo-me que os desafios iniciais foram ultrapassados. Aqui sinto-me um bom representante de São Tomé e Príncipe. Represento uma comunidade que raramente emigra. Dos meus sete irmãos, apenas um está aqui em Portugal comigo; os outros optaram por ficar no país. Eu preferi ficar, apesar das diferenças entre os dois países. O que é fácil aqui pode ser uma tarefa difícil lá. Em comparação com Portugal, São Tomé e Príncipe apresenta muitas adversidades económicas. Apesar de sentir falta da proximidade da minha família e do calor do seu afeto, acredito que a vida aqui é melhor. A realidade económica de São Tomé e Príncipe é difícil, com uma elevada taxa de desemprego e uma dependência instável do turismo, da pesca e da agricultura. A falta de meios para sobreviver leva muitos a emigrar, sobretudo os jovens, que procuram oportunidades em países europeus e americanos. A minha família, que sempre trabalhou na agricultura, enfrentou desafios pesados e complexos. A agricultura local é desorganizada e carece de grandes indústrias. Emigrar tornou-se uma opção necessária para quem procura uma vida mais estável. Embora atualmente não pense em voltar a viver lá, pelo menos num futuro próximo, talvez pense nisso daqui a 30 anos. Vir para Portugal foi uma mudança de vida. Cresci e descobri mais sobre mim própria. Aprendi a ser independente, a enfrentar desafios e a lidar com as minhas emoções. Cada dia vivido é uma viagem emocionante, embora cheia de desafios.
Esta mudança permitiu-me ter novas experiências e mostrou diferenças no comportamento das pessoas. Enquanto em São Tomé nos cumprimentamos com “Bom dia” e um sorriso no rosto, aqui este costume parece não existir e ninguém se preocupa com as aparências. As pessoas aqui têm uma paciência notável e receberam-me bem. Em contrapartida, o clima frio não corresponde ao que eu tinha em mente. A adaptação, apesar do cansaço inicial, acabou por ser positiva, pois vim com um objetivo claro: estudar e tirar um curso. Enfrentei desafios, mas à medida que fui fazendo amizades na escola, a minha experiência foi melhorando. A qualidade de vida aqui é extraordinariamente boa e não me arrependo da minha decisão de vir. No entanto, sinto muitas vezes a falta da minha avó. Apesar de ter ambos os pais cá, eles ainda não estão instalados. Hoje, se tivesse de me mudar novamente para outro país, acredito que me conseguiria adaptar. São Tomé aparece na minha mente como um paraíso com praias espectaculares. A praia da Governadora e a praia do Morro Peixe são muito bonitas. Sinto falta de muitas coisas, desde os pratos típicos até os momentos de descontração nos passeios e festas com os amigos. Sobre o futuro, pretendo voltar a visitar São Tomé, mas voltar a viver lá… só o tempo dirá. Para já a resposta é incerta. Se ganhasse muito dinheiro, voltaria para o meu país.
Esta fotografia mostra a cidade onde vivi durante 14 anos! A minha adaptação foi muito rápida. Quando os meus pais decidiram vir para Portugal, eu estava assustada com a mudança total na minha vida. Preocupava-me como ia fazer amigos, como ia ser o meu dia a dia, como eram os meus amigos e a minha família, e como ia lidar com o facto de deixar tudo para trás! Hoje em dia, ainda penso na vida que deixei no Brasil, e sinto falta de muitas coisas que ficaram, mas já estou bem habituada a essa mudança! Já fiz muitos amigos e tive muitos sucessos aqui que talvez não pudesse ter alcançado no Brasil. Lembro-me que no meu primeiro dia de aulas, logo quando cheguei a Portugal, cheguei no intervalo do almoço, com medo de como ia ser a minha chegada. Deparei-me com muita gente à minha espera, curiosa para saber da minha vida no Brasil! Nesse dia, fui bem recebida, e isso foi algo que me tirou o medo de me habituar a tudo de novo que iria fazer! Graças às amizades que fiz, consegui adaptar-me a esta nova vida. Saudades. Tenho imensas saudades do meu país. Apenas para visitar, não para viver lá.
Scroll to Top