Projekto_logo_final

Lituânia

As fotografias da nossa exposição digital mostram histórias de vida de jovens que se mudaram para Portugal vindos de diversos cantos do mundo, para além da Europa, de países como Angola, Moçambique, Timor-Leste, Brasil, Venezuela, entre outros. As histórias abordam três questões principais:
– O significado da fotografia no percurso pessoal dos jovens migrantes, destacando os desafios que eles ou os seus familiares enfrentaram durante a mudança para Portugal, bem como as suas conquistas ou marcos desde a migração;
– Os sentimentos que surgem quando falam da sua terra natal com os familiares;
– As suas aspirações de regressar ao seu país natal para viver ou visitar.

Preservámos a linguagem e o estilo autênticos das histórias para garantir a sua representação genuína.

A fotografia descreve a primeira vez que visitei a Lituânia, para ver o meu ex-namorado que era lituano. Fiquei muito impressionada com a calma e o conforto e senti que talvez pudesse mudar-me para cá. Passados 6 meses, recebi uma oferta de emprego e decidi mudar-me. Comecei tudo do zero aqui, emprego, carreira, amigos. No início foi muito difícil, pois não compreendia a cultura. De facto, fiquei muito triste por causa disso. Após 5 anos, posso dizer que finalmente me sinto em casa. Estou independente profissionalmente, mas onde que mais cresci foi a nível pessoal. Estou mais aberta, aprendi a lidar com pessoas diferentes. Tenho a minha comunidade de pessoas que me seguem nas redes sociais (tenho uma conta onde faço piadas sobre a Lituânia e partilho a minha experiência aqui com as pessoas). Agora posso dizer que adoro estar aqui e que tenho muitas oportunidades. Os meus pais nunca deixaram a Roménia e eu visito várias vezes, por isso não sinto que a forma como falávamos do país tenha mudado. Eu visito pelo menos 3 vezes por ano, não emigrei para a Lituânia à procura de uma vida melhor, apenas me mudei para lá por amor.
A saída da Ucrânia foi marcada por muitos desafios, desde a perda de amigos e pessoas conhecidas até ao medo e à tristeza constantes. Esta é a fotografia do dia em que o nosso Presidente Volodymyr Zelenskyy fez um discurso em Vilnius. Foi a primeira vez que senti um mínimo de esperança misturada com felicidade ao fim de um longo período… Depois desse período, senti-me mais forte e mais capaz de lidar com todas as dificuldades pelas quais não era suposto passar. É de partir o coração, tenho tantas saudades do meu país. É ainda pior quando não se sabe o que pode acontecer a seguir e a única coisa que quero é que as pessoas do meu país estejam em segurança. Sim, a Ucrânia será sempre a minha casa.
Foi graças ao nosso carro que conseguimos chegar aqui sem avarias, se não fosse por isso, não teríamos conseguido partir. O mais difícil é que alguns dos membros da minha família acham muito difícil que não estejamos em casa agora, mas num país estrangeiro, sentem falta de casa… Depois da migração, encontrei amigos que não tinha na Ucrânia. Estou muito preocupada com a minha casa e com a minha cidade natal, Kherson. Não quero regressar à Ucrânia.
Esta última fotografia foi tirada na minha galeria antes da minha mãe, o meu irmão e eu sairmos de casa, pelo que tem um significado especial para mim. Os desafios estavam geralmente relacionados com a adaptação à vida num novo país, era moralmente difícil sentirmo-nos seguros quando outros cidadãos ucranianos que ficaram em casa estavam em perigo constante. Foi difícil adaptar-me ao novo ambiente e habituar-me à nova língua. Quanto às minhas realizações, posso dizer que tento ser útil aos ucranianos na cidade onde vivo, participo em projetos de voluntariado e faço um estágio na Embaixada da Ucrânia. É extremamente difícil quando falo com a minha avó e o meu pai que estão na Ucrânia. É difícil compreender que estão em perigo constante, é difícil falar com eles porque não sabemos o que fazer a seguir e só a esperança e a fé nas Forças Armadas nos mantêm confortáveis. Claro, só vejo o meu futuro na minha terra natal.
A fotografia é de mim e da minha única boa amiga, tenho muitas saudades dela. No dia 24 de fevereiro, quando a guerra começou, um amigo falou-me disso, a única questão que tínhamos era se devíamos ir para a escola. Não senti medo nem nada do género, ao contrário da minha mãe. Durante uma semana vivemos no corredor e, uma vez, tentámos ir para o abrigo, mas não estava equipado, por isso deixámos de ir para lá. No dia 3 de março, a minha mãe estava destroçada e disse-me para arrumar as minhas coisas. Não me lembro do que aconteceu a seguir, mas lembro-me que já estávamos no autocarro Kyiv-Lviv. Em Lviv, trocámos dinheiro e entrámos no autocarro Lviv-Alfândega polaca, quando chegámos, o motorista disse que tínhamos de sair e continuar a andar. Quando chegámos à fronteira com a Ucrânia, também não me lembro muito bem do que aconteceu a seguir, como resultado, ficámos ao frio, à noite, durante cerca de cinco horas, senti-me muito mal, já estava a chorar, as mulheres com crianças começaram a fazer furor para deixar passar toda a gente. Depois de passarmos a zona de trânsito, os militares começaram a levar-nos com uma lanterna, parecia que éramos uma espécie de cães domésticos. Quando chegámos à Polónia, tiraram-nos os documentos, deram-nos bolachas e sumo e disseram-nos para esperarmos por um autocarro que nos levaria à cidade mais próxima, a um centro comercial que tinha sido convertido num centro de refugiados, com um monte de camas em diferentes postos de alimentação. Mais tarde, um amigo da minha mãe veio buscar-nos e levou-nos para Vilnius. Lá, providenciou-nos todas as necessidades e comodidades, alugou-nos um apartamento, comprou-nos comida, instalou wi-fi, trouxe-nos produtos químicos e outras coisas, loiça e até nos ajudou com dinheiro. Ajudou-nos durante um longo período de tempo até sermos independentes. Embora nos tenhamos instalado e feito amigos e conhecidos, estou extremamente ansiosa por regressar a casa, porque o meu amigo ainda lá está e eu gostaria de ir para casa.
Esta fotografia recorda-me que é preciso mantermo-nos felizes e alegres. Quando falava com os meus familiares, costumava ficar triste, mas agora já quase não sinto nada. Mas não me esqueço de onde vim. Não, não quero regressar à Ucrânia permanentemente, apenas para visitar.
Olá, tenho 15 anos agora, quando a guerra começou tinha 13. Nessa altura, estava em Kharkiv (em Saltovka). Saí de Kharkiv dois domingos depois do início da guerra, por volta de 8-9 de março. A minha mãe era a que tinha mais medo da guerra, lembro-me de ela dizer que tínhamos de ir embora, mas não conseguíamos concordar e decidir. Quando decidimos, a noite foi muito tensa, Kharkiv estava a ser bombardeada por todos os lados e houve ataques perto da minha casa, estávamos todos muito assustados. Primeiro fui para a cidade de Liubotyn (região de Kharkiv), havia engarrafamentos, conduzimos durante muito tempo, e havia explosões nas proximidades, não havia rede, não havia nada, toda a gente estava em pânico. Juntamente com a minha família, ficámos lá durante um mês e meio, até que houve uma explosão perto de nós, uma ponte junto à linha férrea explodiu, e então a minha mãe disse que era o fim, que íamos mesmo embora. Estávamos a preparar-nos e um vizinho veio ter connosco e disse que os bombeiros tinham transmitido a informação de que esta noite seria muito turbulenta e que devíamos dormir na cave, dormimos com a roupa vestida para podermos sair a correr se acontecesse alguma coisa, foi incrivelmente assustador. E quando partimos para Lviv, quase não havia pessoas no comboio e viajávamos com o nosso gato, que também estava muito assustado. Por causa das chegadas, o comboio parava e apagava as luzes muitas vezes, e o gato não nos deu descanso durante todo o percurso. No caminho, estávamos à procura de um sítio para levar o gato e encontrámos. Chegámos a Lviv por volta das 22 horas e havia muitos voluntários na estação que nos ajudaram e uma das raparigas levou o nosso gato. Passámos a noite, quase não dormimos, e de manhã disseram-nos que havia uma oportunidade de ir para a Polónia. A minha mãe disse que íamos, toda a gente estava a favor. Não havia quase ninguém na fronteira, por isso partimos rapidamente, mas o meu tio não foi autorizado a partir e foi com o seu gato para junto dos meus avós na região de Dnipro. No início, estávamos algures perto da fronteira com a Polónia e comemos lá, lavamo-nos e disseram-nos que havia uma oportunidade de ir para Varsóvia, por isso partimos. Chegámos tarde e uma mulher polaca acolheu-nos e deu-nos um quarto e tudo o que precisávamos. A minha mãe disse que tínhamos de ir para os Países Bálticos, procurámos bilhetes e a mulher polaca comprou-os, ficámos-lhe muito gratos. Quando íamos para Vilnius, sabia que a minha melhor amiga estava lá e que iríamos viver juntas num dos hotéis do centro da capital, o que foi muito reconfortante. A viagem foi longa e difícil, a minha mãe estava muito preocupada com a forma como iríamos viver aqui. Agora estou em Vilnius há cerca de 2 anos e gosto muito de cá estar. Tenho melhores amigos, ando na melhor escola e gosto de tudo aqui. Acho que vejo o meu futuro na Europa porque gosto mais daqui. As minhas emoções durante a partida são indescritíveis, estava triste e feliz ao mesmo tempo, não saber o futuro assustava-me muito, estava triste e feliz, às vezes, tinha emoções muito distintas. Mas, apesar de tudo isto, estou muito grata à minha mãe que organizou todas as viagens, acalmou-me a mim e à minha irmã, apesar de ter sido muito difícil para ela. Sinto-me invadida por vários sentimentos e emoções, recordações quando falo da Ucrânia com a minha família. Gostaria de visitar a Ucrânia.
Esta é uma fotografia de um abrigo. No dia 20 de fevereiro, estávamos a passear no parque em família e foi nessa altura que ouvi os meus pais dizerem que as notícias falavam de uma possível ofensiva russa contra a Ucrânia. Estávamos a brincar com isso e, claro, não acreditei. Depois, no dia 23 de fevereiro, fui para a cama e não suspeitei de nada. A minha mãe acordou-me às 5 horas da manhã com as palavras “Veronika, acorda, a guerra começou”. Estava assustada, estava a fazer as malas, não conseguia tomar o pequeno-almoço porque todo o meu corpo tremia. A minha mãe e eu vimos um enorme engarrafamento de trânsito, sons de explosões e filas para comprar água. Vivíamos perto de Kiev (Kriukivshchyna) e, sem pensar duas vezes, decidimos ir para a casa da minha avó em Bohuslav, onde estava mais calmo do que em Kiev. Partimos numa viagem difícil, eu, a minha mãe e o meu gato, viajámos durante 6 horas, apesar de normalmente demorarmos 1 hora a chegar lá. Ao longo do caminho, vi muito fumo e fogo, eram as aldeias por onde passávamos e nesse momento fiquei muito assustada. Quando chegámos a casa da minha avó, montámos uma cave e íamos para lá todas as noites, a sirene estava mesmo ao lado da casa da minha avó e o som dela fez-me sentir muito medo e ódio. Ficámos lá duas semanas e decidimos ir para a Lituânia, convidamos os nossos avós, tias, primos, vizinhos, mas ninguém quis vir connosco, pedimos-lhes, mas foi tudo em vão. Reunimo-nos após estas duas semanas, parecia-me que tinha sido uma eternidade, estas serenatas, aviões, mísseis de cruzeiro, lágrimas. Fomos à Lituânia porque o meu padrasto estava lá, tinha ido trabalhar e devia regressar a casa a 23 de fevereiro, mas não regressou, por isso decidimos ir ter com ele. Estávamos a atravessar a fronteira com a Moldávia e, no caminho, vimos muitos edifícios bombardeados pelos russos e o meu coração partiu-se de dor por tudo isto ter acontecido no meu país. o dia 3 de março deixámos a Ucrânia e estivemos 3 dias na Moldávia, onde vivemos com outras três famílias num apartamento. Uma mulher recusava entregar as chaves do carro e ficámos todos juntos, ela conduzia mal, por isso o meu padrasto veio ter connosco à Moldávia para nos ajudar. Depois fomos para a Roménia, onde voluntários nos ajudaram e passámos a noite num acampamento, em sacos-cama, e já era 6 de março, o meu aniversário, não era nada como eu imaginava, mas estava grata por estar viva e por estar bem. E seguimos para a Eslováquia e depois para a Hungria, onde passámos a noite, mas num hotel onde nos tiraram quase todo o dinheiro e era mau, tinha muito fumo, mas passámos a noite e depois a minha mãe olhou para a mala e percebeu que tinha perdido a carta de condução, era mau, mas continuámos a conduzir. E agora já estamos na Lituânia, não sabíamos onde viver, mas algumas pessoas simpáticas ajudaram-nos e deram-nos a sua casa para vivermos, pois era muito velha e iam demoli-la. Assinámos, viajámos, procurámos muitos documentos. E agora ainda estou aqui na Lituânia, estou muito grata pelo apoio e pelos muitos símbolos ucranianos, mas ainda não me sinto como em Kiev e sonho em regressar à pacífica Kiev! A minha mãe e eu temos muitas saudades da nossa Ucrânia natal.
É apenas uma fotografia de um céu bonito na minha cidade natal. Sinto-me muito nostálgico quando falo da Ucrânia com a minha família e gostaria de voltar a viver lá.
Foi uma fotografia tirada por mim enquanto observava o nascer do sol, apercebi-me que em breve estaria longe da minha terra natal, Kherson. Sempre que falamos da minha terra natal, sinto-me invadido pela tristeza, recordações do passado, pela felicidade subestimada do período anterior à guerra. Claro que tenho o desejo de regressar à Ucrânia, mas, para já, só para visitar.
A composição da fotografia foi feita por mim e pelos meus amigos, e lembro-me dela porque estávamos juntos na altura. Gosto de falar sobre a Ucrânia com a minha família, sobretudo sobre temas tristes, mas também sobre outras coisas. Quero voltar a viver na Ucrânia, mas depois de terminar os meus estudos.
Esta é uma fotografia da minha mãe que me apoiou durante a viagem e nunca me deixou desanimar. Depois de ter emigrado, especializei-me em química. Preocupo-me com o destino do meu país e dos ucranianos, mas gostaria de voltar a viver lá.
Esta fotografia foi tirada exatamente a 10 quilómetros da fronteira com a Polónia. Quando atravessámos a fronteira, chegámos a Varsóvia e estávamos no centro de receção para ucranianos, comecei a chorar sem perceber porquê, provavelmente por causa de toda a confusão com o novo país e a nova cidade. Estou preocupada com os meus familiares (avós) que não querem partir, pelo menos da região de Donetsk. Tenho um grande desejo de regressar ao meu país natal e estudar na universidade lá, de visitar Donbas.
Esta fotografia foi tirada no meu segundo dia na Grécia, quando chegámos à ilha. Vivemos na Grécia durante pouco mais de um mês e depois mudámo-nos para a Lituânia. Na Lituânia, eu já estava entre os 20 melhores alunos de programação do país. É muito difícil para mim recordar a minha vida antes da guerra e da mudança, tudo era mais fácil e eu sabia o que ia acontecer no dia seguinte. Sim, não sei se vou viver lá [Ucrânia], mas quero muito visitar regularmente.
Esta é uma fotografia da minha gata Busya. Está atualmente na minha cidade natal, Nikopol, com a minha mãe e a minha família. Quando falo com a minha família sobre a Ucrânia, só tenho recordações e calor no coração…. Gostaria de regressar à Ucrânia.
Esta fotografia que partilho convosco significa uma nova etapa de desafio na minha vida. Nesta fotografia, já não consigo ver o mundo como antes. 25.02.22 Passamos a noite na cave e, de vez em quando, corremos para a cave do nosso vizinho, porque é maior. É assim que decorre a nossa semana. Sirene após sirene, explosões, algo a arder, cortes de eletricidade, falta de água quente… 05.03.22 À noite, um projétil atingiu a casa dos nossos vizinhos na nossa rua e a onda de choque estilhaçou as nossas janelas. 06.03.22 A ponte principal ainda não foi destruída, por isso os nossos vizinhos estão a planear partir para o Oeste da Ucrânia e oferecem-nos para irmos com eles. Mas só há dois lugares disponíveis… Decidimos ir… Ao fim da tarde de 6 de março, fizemos as nossas mochilas, uma para cada pessoa. O meu pai não vem connosco. 07.03.22 Já estamos a caminho, e nunca esquecerei o silêncio que reina no carro. Não havia ninguém nas ruas, exceto a polícia. Passamos por aldeias, por campos, porque a estrada habitual, em linha reta, é perigosa. Conseguimos sair, atravessámos a ponte. Passado algum tempo, descobrimos que mais tarde outros carros começaram a disparar. Havia grandes engarrafamentos de trânsito. Chegámos a Boryspil mesmo a tempo do recolher obrigatório. Fomos acolhidos por uma família com 10 crianças. São pessoas muito simpáticas. Mais tarde, fomos mais longe… 09.03.22 Estamos em Stryi (região de Lviv) com os nossos familiares. À noite, foi anunciado um ataque aéreo em toda a região de Lviv. A minha mãe, o meu gato e eu escondemo-nos na casa de banho. Não havia qualquer ligação com o meu pai. 11.03.22 Conseguimos finalmente entrar em contacto com o meu pai, ele contou-nos o que se passava em Chernihiv e disse que era bom termos partido. A mãe estava a pensar em como tirar o pai de Cherniv. 13.03.22 A mãe encontra um carro com pessoas que também estão de partida e o pai vai com elas. 16.03.22 O pai chega. Estamos de novo juntos. Mas não é por muito tempo. Os meus pais querem que vamos para o estrangeiro. E decidem fazê-lo. Em 20.03.22, embarcamos no autocarro Lviv-Varsóvia com a minha mãe. O meu pai fica na Ucrânia. Não estamos a viajar sozinhos, mas com os nossos amigos. Esperámos na fronteira cerca de 5 a 6 horas. 21.03.22 Na Polónia, somos apanhados por um carro e enviados para a Lituânia. Os primeiros dias foram como um nevoeiro, não percebíamos o quê, onde, como. Mas na Lituânia fomos bem-recebidos. Um mês depois, a minha mãe descobriu que estava grávida. Boas pessoas ajudaram-nos e a minha mãe conseguiu um emprego numa escola lituano-polaca como professora de língua ucraniana. Agora tenho uma irmã. O meu pai é voluntário na Ucrânia. Encontrei muitos conhecidos e amigos na Lituânia. Todos os projetos que a Lituânia proporcionou aos ucranianos ajudaram-me a sentir melhor. Esta não é a última parte da minha história, ela vai continuar… E espero que no futuro esteja rodeado de pessoas boas e sinceras. Não consigo falar sobre o assunto [Ucrânia] com calma. Tenho medo de nunca mais poder ir para a minha casa. Mas compreendo que é impossível ir agora, ainda não é seguro. A minha avó e o meu pai já estão habituados às sirenes e é muito assustador perceber que não pode ser assim. Sim, quero regressar à Ucrânia, talvez até para continuar a residir.
Esta fotografia mostra a minha cadela Knopa. Durante toda a viagem, ela esteve ao meu lado e apoiou-me como ninguém. Para mim, bastava que ela estivesse ali, a tentar brincar comigo, o que me encorajava e me fazia feliz. Estou muito contente por ela estar agora connosco e por estar viva. Quando me mudei para a Lituânia, a minha família e eu enfrentámos apenas um problema: começar de novo. Aqui não tínhamos conhecidos, nem amigos, nem ninguém. Estávamos completamente sós aqui. Depois de migrar para cá e durante algum tempo, comecei a ir ao ginásio, a desenhar muito, a escrever os meus próprios trabalhos, comecei a bordar muito e a dar passeios. Foi também aqui que desenvolvi uma paixão pelo voleibol. Por vezes, fico muito triste porque me lembro de tantos momentos bons que me aconteceram nos períodos pré-guerra e de guerra. Para ser sincero, gostaria muito de regressar à minha cidade para viver lá, mas duvido que o possa fazer devido à situação militar e à exploração mineira da minha cidade.
Esta fotografia é da última reunião com os meus amigos Todos os dias [Ucrânia] parece-se mais e mais com a Coreia do Norte. Gostava de ir durante duas ou três semanas, mas é assustador atravessar a fronteira e estar lá [na Ucrânia].
Esta fotografia tem um significado muito profundo na minha vida, porque nós, tal como todos os outros ucranianos, tivemos muita dificuldade em deixar a nossa cidade natal. Estávamos a partir com dois gatos que também tinham medo de explosões e de riscos para as suas vidas. Por isso, para mim, esta fotografia descreve todos os momentos difíceis da minha vida. Quando a minha família e eu recordamos as memórias que tivemos na Ucrânia, provavelmente temos muitas saudades desse tempo e lamentamos não ter dado tanto valor à vida antes da guerra, porque não podíamos imaginar que isto pudesse acontecer à nossa querida Ucrânia. É por isso que estes sentimentos são mais tristes do que felizes. Sim, é claro. A minha família e eu sentimos falta da nossa casa.
Esta fotografia é muito importante para mim. Tirei-a quando estava num concerto com um amigo que já não via há muito tempo. Depois da mudança, era difícil compreender as pessoas por causa da língua e preencher alguns documentos. Quando falo da Ucrânia, sinto-me um pouco triste por não estar em casa neste momento. Gostaria de me encontrar com todos os meus familiares e depois regressar [à Lituânia].
Esta é uma foto do vulcão Batur, que mostra que tudo é possível e que nunca sabemos onde o nosso caminho difícil e tortuoso nos vai levar. Encontrámos paz depois de deixarmos este país. Fizemos uma viagem muito difícil a cruzar a fronteira da Ucrânia, viajando num carro sob fogo, depois num comboio cheio de gente e atravessando a fronteira durante muito tempo. Durante a minha estadia na Lituânia, também fiquei em terceiro lugar na Taça da Lituânia de Enduro e participei em várias competições de ciclismo de estrada. É emocionante e, por vezes, triste falar da Ucrânia, mas não temos lá familiares, nada. Gostaria de ficar na Lituânia.
A última fotografia que tirei no jardim corps em Poltava antes da guerra. Fico triste quando se fala da Ucrânia. Gostava de poder voltar.
Nos primeiros dias da guerra, quando já não havia comida nas lojas, comíamos caviar de lúcio apanhado pelo meu tio e pão e manteiga. Para mim, esta fotografia mostra que, por muito diferentes que eu e os meus familiares sejamos, continuamos unidos e apoiamo-nos uns aos outros. Para mim, foi um grande sucesso encontrar amigos na Lituânia, porque quase não tinha amigos na Ucrânia. Penso que o maior problema que enfrentámos durante a mudança foi a separação do meu pai e dos meus tios. Somos uma família e estamos habituados a passar por dificuldades juntos, mas agora estamos todos divididos em três. Tenho muitas saudades deles e quero ir para casa, quero abraçá-los a todos e beijar o gato. Queria ir para a KNMU em Kharkiv, mas sei que os estudos na Europa são mais procurados, por isso, enquanto tiver esta oportunidade, devo aproveitá-la, mas tenho a certeza de que quero ir a Kharkiv e visitar o mais depressa possível.
Esta fotografia é da minha gata de estimação, que está sentada na mota do meu pai, em frente à nossa casa. Tenho muitas saudades da Ucrânia e gostaria de voltar para visitar.
Esta fotografia recorda-me de que há pessoas boas e que as coisas boas retornam sempre. Estávamos a sair da Ucrânia e uma pessoa descobriu e contou a outra, que era o dono de um restaurante. Este homem deu-nos de comer de graça, porque não comíamos há cerca de um dia. Tenho sentimentos contraditórios quando falo da Ucrânia. Gostaria de voltar a viver lá se a guerra acabasse, mas visitamos o país todos os anos.
Esta fotografia é a vista da minha janela, na minha casa, em Odesa. E quando nos mudámos, foi difícil encontrar uma casa porque os familiares com quem era suposto vivermos abandonaram-nos. Mas, de alguma forma, com muito sofrimento, sobrevivemos e mudámo-nos para a Lituânia. Depois de me mudar, encontrei muitos passatempos e amigos. Não falo com eles [família] sobre estas coisas [Ucrânia]. Gostava de visitar a Ucrânia.
Para mim esta foto tem um grande significado porque está associada a Kharkiv, a dias de treino e campos de treino. Quando nos mudamos, enfrentamos problemas financeiros, foi muito difícil, mas depois de um curto período de tempo melhorou. Fiz muitos amigos verdadeiros e tenho muita família na Lituânia. Tudo é doloroso, todos ficam muito tristes ao falar da Ucrânia. Gostaria de visitar a minha família [na Ucrânia].
Esta foto foi tirada com o meu amigo mais próximo, de quem sinto imensa falta. Costumávamos sempre passear neste parque. Esta foto dá-me uma sensação de estar em casa, de estar em segurança. Foram muitos os desafios, principalmente o facto de estarmos a viajar sem qualquer seguro, mas felizmente tivemos a sorte de conhecer uma família com quem pudemos ficar durante algum tempo. Tento evitar conversas abertas porque esse assunto é muito traumático para mim. Tenho medo de discutir as notícias que estão a acontecer no meu país, traz-me muita dor. Quero fazer uma visita, mas tenho muito medo de voltar a morar lá definitivamente.
Só tenho boas recordações deste sítio, costumava ir passear com os meus amigos e havia lá histórias engraçadas: Uma manhã, acordei e como de costume comecei a preparar-me para ir para a escola, estava a preparar-me e a minha mãe veio e perguntou-me onde ia, eu disse para a escola e ela disse que escola, a guerra está na rua, eu não acreditei no início, pensei que ela estava a brincar, e depois fui ler as notícias e realmente fiquei em choque e não podia acreditar, pensei que era um sonho. Passadas duas semanas, começámos a fazer as malas e o meu pai insistiu para que partíssemos, a minha avó vivia connosco e queríamos que ela viesse connosco, mas ela recusou-se a partir, eu chorava muito. Tínhamos combinado que iríamos com a madrinha do meu irmão através da Polónia até à Lituânia, mas no último momento, quando devíamos partir, ela foi-se embora e atravessou a Moldávia, e os meus pais pensaram que Deus a acompanhasse, que nós atravessamos a Moldávia também. Chegámos à fronteira entre a Ucrânia e a Moldávia de táxi e depois fomos a pé. Quando passámos a fronteira, encontrámos pessoas que estavam a ajudar os outros com água e comida. As pessoas começaram a aproximar-se de nós e a oferecer-nos água e comida, mas a minha mãe recusou tudo e um homem perguntou para onde íamos, a minha mãe disse que precisávamos de ir para Chisinau e ele ofereceu-se para nos dar boleia de graça. Fiquei chocada e pensei que a minha mãe ia recusar, mas ela aceitou. Fiquei assustada, porque um homem desconhecido num país desconhecido oferece-nos uma boleia grátis. Mas a minha mãe concordou 😵, eu dormi o caminho todo porque estava a chorar muito e cansada de todo o stress. Ele levou-nos até Chisinau e eu fiquei chocada quando ele pegou nas nossas malas, abriu-as e pôs umas garrafas de água lá dentro 😨. Depois disso, os amigos do meu pai vieram buscar-nos e ficámos com eles durante uma semana, onde fiz amizade com a filha dos amigos do meu pai, ela tinha 23 anos 🙂. Depois o meu pai veio e ficámos com eles mais uma semana, e depois o meu pai pagou a uns tios e eles levaram-nos para a Lituânia 🙂. Ainda estou em choque por causa da minha mãe, mas o tio que nos levou a Chisinau era porreiro e lembro-me sempre dele com um sorriso. Quando falamos ao telefone com os meus familiares que ficaram na Ucrânia, sento-me no canto da sala e sinto-me triste, e depois de falar com eles sinto-me triste durante alguns dias. Quero muito visitar a minha avó na Ucrânia, pelo menos durante uma semana.
Esta fotografia foi tirada com os meus amigos, de quem tenho muitas saudades. Saíamos sempre juntos e divertíamo-nos muito. Esta fotografia foi tirada a 22 de fevereiro, antes da guerra. Esta fotografia dá-me uma sensação de estar em casa, de estar em segurança e de estar no meu próprio ambiente. Falar do nosso país natal e da guerra pode provocar tristeza, ansiedade, preocupação e até medo. Trata-se de um tema complexo e emocionalmente carregado que pode desencadear reações diferentes em pessoas diferentes. Nestas conversas, podem surgir emoções fortes, recordações do passado e preocupações com o futuro. Sim, eu quero mesmo ir para casa…
Esta fotografia representa o momento em que estávamos sentados na fronteira polaca e não fazíamos ideia do que iria acontecer a seguir
A viagem durou 4 dias, foi difícil, não conseguíamos dormir nem comer, ouvíamos a sirene a toda a hora e ficávamos assustados com os sons altos, as piores recordações da minha vida. Depois da migração, a vida melhorou, toda a família está junta, embora longe de casa, mas o mais importante é que estamos vivos. Vou à escola, danço, pratico voleibol e tenho a oportunidade de me desenvolver como pessoa. Por um lado, sinto-me orgulhosa da minha pátria forte e inquebrável e, por outro, fico com os olhos marejados com o que está a acontecer na Ucrânia, mas ainda estamos à espera da vitória! É difícil chamar casa à Ucrânia. Gostaria de a visitar apenas como hóspede.
Este é um brinquedo que a minha melhor amiga fez para mim, somos amigas desde a infância. Agora ela continua sob ocupação, sem possibilidade de sair. Ela deu-mo como recordação do nosso último encontro. Tenho muitas saudades da Ucrânia, sinto-me injustiçada por não poder regressar a casa devido à ocupação. Peço aos meus pais para ir à Ucrânia, mas eles dizem que é perigoso. Sim, claro que quero visitar a minha família. Voltarei a viver quando a guerra acabar.
Esta fotografia é de uma tarte feita por uma família que nos acolheu depois de termos migrado. Mostrou-nos que éramos aceites aqui e que estavam dispostos a ajudar-nos de todas as formas possíveis. Depois de vivermos aqui durante muito tempo, é claro que nos apercebemos de que há mais oportunidades aqui do que na Ucrânia, enquanto país da UE. Como o meu pai já vivia cá há algum tempo, a vida dele não mudou muito. Mas aqui a minha mãe conseguiu progredir no seu trabalho. Ela apercebeu-se de que na Ucrânia o seu trabalho não era tão apreciado como aqui. Quando surge o tema do meu país natal, sinto imediatamente uma sensação de urgência, um desejo de regressar a casa. Mas, ao mesmo tempo, apercebo-me de que o sítio onde vivo agora é como uma segunda casa, e há um mal-entendido sobre se quero mesmo voltar para lá ou ficar em casa. Talvez acima de tudo, gostaria de lá voltar como hóspede, e ir lá regularmente como se fosse a minha casa, mas como hóspede.
Fiquei muito triste por deixar os meus familiares e a minha querida gata, que estava comigo há 9 anos, ela curou-me, vinha sempre ter comigo quando eu estava triste, mas quando parti, tive de a deixar com a minha avó. Sinto-me envergonhado porque deixei a minha cidade e os meus familiares estão sob fogo. Quero ir para casa, mas compreendo que é perigoso na minha cidade e que o meu futuro não pode ser tão bom como no estrangeiro, mas gostaria de ir pelo menos durante algumas semanas..
Esta fotografia captura o momento em que chegámos a um novo país, simbolizando a esperança e os desafios que tínhamos pela frente. O maior desafio foi ultrapassar a barreira linguística, mas, com o tempo, não só nos adaptámos, como também alcançámos um sucesso significativo: encontrámos emprego, juntámo-nos às comunidades locais e estabelecemos novos contactos. Sinto-me triste porque tenho saudades do meu país, mas também sei que, enquanto a lei marcial estiver em vigor, estarei melhor no estrangeiro. Falar do meu país natal com a minha família evoca nostalgia e emoções contraditórias, reforçando a ligação às raízes e ao património. Sim, gostaria de lá ir durante algum tempo para visitar a minha família e os meus amigos.
Esta fotografia é muito importante para mim porque este mar fica em Odesa e Odesa é o sítio onde vivi e nasci. Costumávamos ir ao mar com muita frequência. As conversas com familiares sobre a Ucrânia ajudam a manter o contacto com memórias partilhadas. Sim, quero regressar à Ucrânia.
Esta fotografia descreve o stress que eu e a minha família sofremos por causa da mudança para um novo país. Foi difícil para todos nós, estávamos todos nervosos, até o cão. Estamos agora a adaptar-nos, mas temos muitas saudades dos velhos tempos. Todos os meus familiares ficaram na Ucrânia e agora só a minha mãe está comigo. É muito doloroso recordar o que aconteceu, mas apoiamo-nos uns aos outros. Tenho vontade de ver toda a minha família e amigos, não importa o que pareça, irei à minha terra natal para os visitar.
Esta fotografia foi tirada quando regressei a casa depois do início da guerra. Era muito triste olhar para as ruas sem pessoas e sem luz. Havia muitas poucas camas, tudo nas lojas era muito caro, a luz e a água eram dadas de dois em dois dias (na melhor das hipóteses), mas apesar disso, queríamos ficar em casa. A minha família e eu só falamos dos momentos felizes, lembramo-nos de como nos sentíamos em casa. Sim, tenho o desejo de regressar a casa, mas já penso que tudo aqui é demasiado difícil para mim, por isso vou visitá-los de certeza.
Era a última hora antes de partirmos e foi também a maior quantidade de neve nesse inverno. Para mim, é uma boa recordação dos maravilhosos invernos da minha infância e a última prenda que a minha terra natal me reservou. Desafios que a minha família enfrentou durante a partida: uma longa travessia da fronteira à noite, várias dezenas de quilómetros a pé. Sinto uma tristeza calorosa e um pesar muito forte porque tenho muitas saudades da minha terra [Ucrânia]. Sim, quero visitar os meus amigos e familiares. Voltar a ver a minha terra natal e sentir os velhos sentimentos.
Tirei esta fotografia quando a minha família estava a sair de Kharkiv para a região de Zakarpattia. Estávamos a viajar há uma semana inteira em dois carros e não sabíamos o que ia acontecer a seguir. Durante as conversas sobre a Ucrânia, sinto-me normalmente ansioso e preocupado com toda a minha família no meu país. Quero muito regressar a casa e ver a minha família.
Esta foi a última prenda que enviei à minha melhor amiga antes de partir para a Lituânia. Antes de ir para o estrangeiro, passei algumas semanas na Ucrânia ocidental. Como era mais seguro e as lojas estavam abertas, decidi usar as minhas últimas poupanças para comprar um presente para a pessoa mais próxima de mim, que foi obrigada a celebrar o seu aniversário num abrigo anti-bombas. Em comparação com o estado em que me encontrava no início da guerra, estou agora mais descontraído e só sinto algumas saudades de casa. No início, qualquer conversa fazia-me chorar. Agora estou a planear continuar os meus estudos na Lituânia e não tenho planos específicos para o futuro, mas gostaria definitivamente de regressar para visitar a minha família.
Esta fotografia lembra-me que a minha vida mudou para sempre, agora a minha vida está dividida em antes e depois. E não apenas simbolicamente, está separada por mil quilómetros. É muito difícil para mim ouvir as histórias dos meus avós sobre como estão as coisas na minha cidade, no meu distrito, e sempre que volto, espero que estejam bem. Por muito que gostasse de regressar, compreendo que é impossível, mas espero poder voltar à Ucrânia um dia, não como turista.
Esta fotografia foi tirada na fronteira com a Polónia. Foi uma altura muito difícil para mim, porque não queria deixar o meu país. Normalmente, fico triste e começo a preocupar-me muito [quando se fala da Ucrânia], porque apesar de já ter passado muito tempo, a guerra continua a ser um tema muito doloroso para mim. Tenho muitas saudades da Ucrânia e da minha terra natal. Por isso, espero que num futuro próximo possa ir ver a minha família e os meus amigos.
Esta é uma fotografia de uma cidade na Lituânia que visitei quando a guerra começou, e tenho muitas recordações e dificuldades que vivi nessa cidade. Sempre que falo com os meus pais sobre a guerra, é sempre muito difícil para mim mentalmente, mas quero muito que tudo fique bem. Quero muito ver a minha família e tenho muitas saudades deles.
Estes são os autógrafos dos meus primeiros amigos aqui, não comunicamos agora, mas eles salvaram-me na altura. É muito difícil para a minha mãe viver em dois países, porque aqui estamos com o meu irmão e eu, e o marido e o pai dela estão na Ucrânia. As minhas conquistas são o facto de me ter tornado mais aberta, de ter melhorado o meu inglês e de ter descoberto as minhas capacidades de comunicação. Tenho saudades [da Ucrânia], mas penso que há mais oportunidades aqui [Lituânia]
Esta fotografia tem um grande significado para mim porque me recorda da partida da Ucrânia para a Lituânia e o medo que todos tinham do novo país. Quando nos mudámos, enfrentámos uma barreira linguística, mas agora compreendemos muito melhor o lituano. Apetece-me imediatamente chorar quando falamos da Ucrânia, mas por alguma razão não quero voltar para casa. As recordações da partida da Ucrânia voltam. Sinto-me ansiosa em relação ao meu país natal e com medo pelos meus amigos e família. Gostaria de ir visitar a minha terra natal, mas se for viver na Ucrânia, não será de certeza em Chernihiv, mas algures no Oeste.
Scroll to Top